ACONTECIMENTOS DO DIA BLOG DIA HOJE Países

Dia da Moldávia • 27 de Agosto de 1991 • Independência

A República da Moldova é um país sem costa marítima da Europa oriental, que faz fronteira com a Ucrânia e com a Roménia. Sua capital e maior cidade é Quixinau (em romeno: Chișinău). Em 1991, a então República Socialista Soviética da Moldávia declarou independência da União Soviética, durante o processo de dissolução da URSS.

Cidade mais populosa

Quixinau

Governo

 República parlamentarista

Independência

da União Soviética

Data

27 de agosto de 1991

Área

33.844 km² (139.º)

Água (%)

 1,4

 Fronteira

Ucrânia eRoménia

PIB

US$ 27,271 bilhões (141.º)

 – Per capita

US$ 7,700 (135.º)

IDH (2019)

0,750 (90.º) – alto[8]

Fuso horário

(UTC+2)

Cód. Internet

.md

Cód. telef.

+373

REPÚBLICA DA MOLDÁVIA

Capital QUIXINAU

Língua ROMENO

População 2.681.735

Moeda LEU MOLDÁVIO MDL

Clima CONTINENTAL MODERADO

 

FONTE

WIKIWAND

 

A Moldávia ou Moldova (República da Moldávia; protocolarmente[ República da Moldova, em romeno: Republica Moldova; pronunciado: [reˈpublika molˈdova] ( escutar (ajuda·info) é um país sem costa marítima da Europa oriental, que faz fronteira com a Ucrânia e com a Roménia (pela região romena também chamada “Moldávia“). Sua capital e maior cidade é Quixinau[6] (em romeno: Chișinău).

Em 1991, a então República Socialista Soviética da Moldávia declarou independência da União Soviética, durante o processo de dissolução da URSS.

Apenas uma região que pertencia à extinta República Soviética da Moldávia, recusou-se a integrar a nova “República da Moldávia”: a região conhecida como Transnístria (uma pequena faixa territorial situada a leste do rio Dniestre) preferiu declarar sua própria independência, e de fato governa-se autonomamente desde a década de 1990, embora seja atualmente reconhecida por todos os países membros da ONU como parte integrante da Moldávia.

Desde o colapso da União Soviética, o peso relativo do setor dos serviços na economia da Moldávia cresceu e começou a dominar o seu Produto Interno Bruto (hoje cerca de 62,5%) como resultado de um decréscimo do peso da sua indústria e agricultura. Contudo, o país ainda é o mais pobre da Europa e o país da região com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

A Moldávia é uma república parlamentar com um presidente como chefe de Estado e um primeiro-ministro como chefe de governo. O país é membro das Nações Unidas, do Conselho da Europa, da Organização Mundial do Comércio (OMC), da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), do GUAM — Organização para a Democracia e o Desenvolvimento Económico, da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), da Organização de Cooperação Económica do Mar Negro (OCEMN), entre outras organizações internacionais. O país tenciona tornar-se membro da União Europeia,[20] e já implementou o primeiro Plano de Ação trianual, no contexto da Política de Vizinhança Europeia (PEV).[21]

História

Ver artigo principal: Lista de governantes da Moldávia

No século XV, o Reino da Moldávia era um importante centro regional de poder. Ocupava a Bessarábia, a Moldávia Ocidental e a Bucovina. A partir do século XVI, teve sucessivos suseranos (senhores feudais) húngaros, lituanos, romenos e turcos. Em 1812, a região foi dividida pelo Tratado de Bucareste: a Bessarábia, localizada entre os rios Prut e Dniestre, foi entregue pelo Império Turco-Otomano ao Império Russo. Em 1878, a Romênia proclamou a independência e uniu-se à Moldávia Ocidental. O Império Russo controlou a Bessarábia até a Primeira Guerra Mundial. Em 1918, a Bessarábia uniu-se à Roménia.

Durante o domínio russo, uma forte política de russificação foi implementada, com a substituição do alfabeto latino pelo cirílico, a deportação da população local e sua substituição por nacionais russos.

A Primeira Guerra Mundial trouxe mais consciência política e cultural à população, já que cerca de 300 mil bessarábicos foram enviados ao recém-formado exército russo em 1917 e grandes unidades de soldados moldavos foram formadas. Acompanhando a Revolução Russa em 1917, um parlamento bessarábico, Sfatul Ţării (outubro-novembro 1917), inaugurado no dia 3 de dezembro daquele ano, proclamou a República Democrática da Moldávia, ainda como parte do Federação Russa, e formou seu governo em 21 de dezembro. A Bessarábia proclamou sua independência da Rússia em fevereiro de 1918, e, sob proteção do exército romeno, que havia entrado na região em janeiro a pedido das autoridades locais para impor a ordem (as tropas russas ainda presentes no território mas em retirada desorganizada iniciaram uma série de ataques, assaltos e violações). O Sfatul Ţării decidiu (86 votos a favor, 3 contra e 36 abstenções) unir-se ao Reino da Romênia. Essa união foi logo reconhecida pelo Tratado de Paris (1920), mas a Rússia soviética não reconheceu o domínio romeno sobre a Bessarábia, em razão de antigas reivindicações sobre essa região. No Tratado de Kellogg-Briand de 1928 e no Tratado de Londres de julho de 1933, a União Soviética e a Romênia acordaram o princípio da não violência para tratar de suas disputas territoriais.

Numa tentativa de afastar a influência russa, as autoridades romenas permitiram que a língua de formação e educação fosse escolhida pelos moldavos. A longo prazo, seu objetivo era substituir pelo idioma romeno a língua imposta pelos russos.

Em 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, URSS e Alemanha assinam o Pacto Molotov-Ribbentrop no qual, secretamente, inseria-se a intenção russa de anexar diversos territórios, dentre os quais a Bessarábia, que já havia estado sob seu domínio. Após o encerramento do conflito, Moscou garantiu sua soberania sobre a Bessarábia, que, somada a um ínfimo pedaço do território ucraniano, a Transnístria, deu origem à República Soviética da Moldávia.

Independência

A República Socialista Soviética da Moldávia declarou independência em 1991 como República da Moldávia. O primeiro presidente do jovem estado, Mircea Snegur, usou expressões que ligavam o país à Romênia, mas ainda se opunha à reunificação imediata com a Romênia. A Frente do Povo Moldavo, partido do então presidente, se desintegrou por causa da questão, sendo que Mircea Snegur concorreu como candidato independente nas eleições de outubro de 1991 e venceu. O entusiasmo pela adesão desapareceu rapidamente – de acordo com algumas pesquisas, 70% se opunham à unificação em 1992 – e a Moldávia começou a se distanciar da Romênia. Os separatistas na região da Transnístria declararam-se um estado separado em 1990, e as forças russas apoiaram a independência da região. Em 1992, um cessar-fogo foi assinado. A nova constituição, adotada em 1994, definiu o moldavo como a língua oficial do país, ao invés do romeno.[22]

A insatisfação com o estado do país levou à esmagadora vitória eleitoral do Partido Comunista em 2001, o qual conquistou 71 cadeiras de 101, e o comunista Vladimir Voronin tornou-se presidente. [21] Voronin aumentou os fundos para a seguridade social e continuou o programa de privatização de Lucinsch. Durante o período Voronin, o distanciamento político do país com a Romênia se acentuou. Em 2003, o país se retirou de um acordo federal negociado pela Rússia com a Transnístria.[22]

Nas eleições de abril de 2009, o Partido Comunista, à época no poder, conquistou a maioria no parlamento, mas não a maioria qualificada necessária para nomear um presidente. Os partidos perdedores lançaram uma manifestação que se transformou em violento motim e vandalismo do gabinete presidencial e do parlamento. Voronin acusou o governo romeno de incitar os motins. Quando o governo e o presidente não puderam ser nomeados, as eleições foram retomadas em julho. A Rússia e a China prometeram grandes empréstimos durante a reeleição, que foram pensados para ajudar os comunistas. No entanto, os comunistas perderam a maioria. Nas eleições de novembro de 2010, os comunistas continuaram perdendo assentos e Marian Lupu se tornou o presidente em exercício. Finalmente, em 16 de março de 2012, o parlamento conseguiu eleger Nicolae Timoft, um advogado pró-Europa Ocidental, como Presidente. [23][24][25]

Geografia

A maior parte do país encontra-se entre os rios Prut e Dniestre. O solo rico e o clima continental temperado (com verões quentes e invernos relativamente leves) possibilitaram o seu desenvolvimento agrícola, tornando a Moldávia um dos maiores fornecedores de produtos agrícolas da região.

A fronteira oeste da Moldávia é formada pelo rio Prut, que se conecta ao Danúbio antes de desembocar no mar Negro. Na parte Nordeste do país, o Dniester é o principal rio, atravessando-o de norte a sul.

Apesar da proximidade com o mar Negro, o país não possui litoral. A parte norte e oeste da Moldávia são relativamente montanhosas, mas nunca ultrapassa 430 metros no seu ponto mais elevado, o Dealul Bălăneşti (Monte Bălăneşti), numa região de colinas no centro-oeste do país, aproximadamente 20 km da fronteira com a Romênia. As principais cidades do país são a capital Quixinau, no centro do país, Tiraspol (na Transnístria), Bălţi e Tighina.

Clima

A Moldávia possui um clima moderadamente continental. Sua proximidade com o mar Negro leva ao clima sendo ligeiramente frio no outono e inverno e relativamente frio na primavera e no verão.[26]

Os verões são quentes e longos, com média de temperatura em 20 °C. O inverno é relativamente leve e seco, com temperatura média de -4 °C. A precipitação anual varia de cerca de 600 milímetros no norte do país a 400 milímetros no sul, podendo variar grandemente. Longos períodos de seca não são incomuns. A maior precipitação ocorre no início do verão em outubro; quando alagações e trovoadas são comuns. Por causa do terreno irregular, as chuvas muitas vezes causam erosões e assoreamento nos rios. [26]

A mais alta temperatura já registrada na Moldávia foi de 41,5 °C, ocorrido em 21 de julho de 2007, em Camenca. A temperatura mais baixa registrada foi de -35,5 °C, em 20 de janeiro de 1963, no município de Brătuşeni.[27][28]

Etnias

A definição de grupos étnicos é um assunto muito questionado e as informações abaixo devem ser tratadas com cautela. A questão principal trata da identidade entre moldávios e romenos, e também da questão linguística (veja língua moldava). A distinção entre romenos e moldávios é marcada por intensa discussão política, com alguns argumentando se tratarem de grupos étnicos diferentes e outros, de subgrupos.

Em 1989, a Moldávia tinha uma população de 4 335 360 pessoas. Porém, dificuldades econômicas levaram a um êxodo e, em 2014, a população do país já era inferior a 3 milhões. Cerca de 75% destes (ou 2,06 milhões de pessoas) são etnicamente moldávios. Há também minorias numerosas de romenos, ucranianos, gagaúzes e russos.[29]

Línguas

A língua falada na Moldávia é a mesma língua do país vizinho, a Romênia, onde a língua é chamada de romeno. No entanto, até 2013 a Constituição da Moldávia declarava que o nome da língua oficial do país era o “moldávio”[31] – embora “moldávio” nada mais fosse que o nome oficial para a língua romena na República da Moldávia.[32]

Isso contradizia a própria declaração de independência da Moldávia, em que a mesma língua já era chamada de romeno;[33][34][35] ademais, “romeno” sempre foi o termo usado nas escolas, meios de comunicação e até mesmo em áreas legislativas, como administração e direito.[36]

Assim, em 2013, o Governo da Moldávia finalmente voltou atrás, alterando a constituição do país para extinguir a denominação “moldávio” e fazer novamente do romeno a língua oficial do país.[37]

Em uso formal, os falares da Romênia e da Moldávia são virtualmente idênticos. Em uso informal, o linguajar nas áreas de Quixinau e Transnístria distinguem-se do de Iaşi, uma cidade romena que fez parte do histórico Principado da Moldávia; entretanto, as diferenças entre o linguajar entre Iaşi e a capital da Romênia, Bucareste, é ainda maior. Linguisticamente, o moldávio é considerado um dos cinco principais dialetos do romeno, sendo esses cinco escritos de forma idêntica.

Apesar disso, existem ainda mais diferenças entre as linguagens coloquiais da Moldávia e da Romênia, devido à grande influência da língua russa na Moldávia, que não existiu na Romênia. Após 1989, as diferenças no vernáculo estão se tornando cada vez menos perceptíveis.

Uma significante minoria fala russo como língua materna e existem muito mais eslavismos na linguagem coloquial moldávia do que na romena.

Religião

Conforme o censo de 2004, os cristãos ortodoxos, que compõem 93,3% da população da Moldávia, não eram obrigados a declarar quais das duas principais igrejas pertenciam. A Igreja Ortodoxa da Moldávia e a Igreja Ortodoxa da Bessarábia, autônomas e subordinadas à Igreja Ortodoxa Russa e à Igreja Ortodoxa Romena, respectivamente, afirmam possuir o status de igreja nacional do Estado. Cerca de 1,9% da população é protestante, 0,9% pertencem a outras religiões, 1,0% é não religiosa, 0,4% é ateia e 2,2% não responderam a questão da religião no censo.[38][39]

Política

A Moldávia é uma república democrática representativa parlamentar, segundo a qual o Primeiro-Ministro é o chefe de governo, e de um sistema multipartidário. O poder executivo é exercido pelo governo. O poder legislativo é exercido tanto pelo governo como pelo parlamento. O poder judiciário é independente do executivo e do legislativo. A posição da república da Transnístria, as relações com a Roménia e a adesão à União Europeia dominam a agenda política.

O parlamento é composto por 101 membros, eleitos de quatro em quatro anos, bem como o Presidente da República.

De 1991 a 1994, o hino da Moldávia foi o Deșteaptă-te, Române!, que é o hino nacional da Romênia e foi substituído pelo atual, Limba noastră.

Economia

A economia da Moldávia é, em grande parte, determinada pelas condições naturais. Tem um clima favorável e solos férteis, e a maior exportação é o vinho. O seu subsolo não é rico em minério. Desta forma, a economia está muito dependente da agricultura, produzindo frutas, produtos hortícolas, vinho e tabaco. Todas as necessidades energéticas relativas ao petróleo, carvão e gás natural são satisfeitas através da importação – da Rússia, principalmente.

O turismo é incipiente, e a maior atração turística são as minas de Cricova, cujo complexo subterrâneo de túneis alberga a maior adega do mundo, com mais de 120 km de armazéns de vinho.

Continua a ser o país mais pobre da Europa, tendo o pior IDH do continente (0,720 – 2007). Após a independência a economia foi muito perturbada pelos problemas com as regiões com aspirações independentistas, a Transnístria e a Gagaúzia. Embora a situação da Gagaúzia tenha sido resolvida pacificamente a separação de facto da região da Transnístria deixou fora do controlo do governo central a maioria das indústrias pesadas.

Atualmente, a Moldávia está entre os países menos desenvolvidos da Europa.

Energia

Com poucos recursos energéticos naturais, Moldávia importa quase todos os seus fornecimentos de energia da Rússia e da Ucrânia. A dependência da Moldávia da energia russa é sublinhada por uma dívida crescente US$ 5 bilhões para fornecedores russos de gás natural, especialmente o Gazprom, em grande parte, o resultado do consumo de gás natural na região separatista da Transnístria. Em agosto de 2013, iniciou-se um novo gasoduto entre a Moldávia e a Roménia, que pode, eventualmente, quebrar o monopólio da Rússia sobre o fornecimento de gás à Moldávia. [40] A Moldávia é um país parceiro da INOGATE, um programa de energia que tem quatro tópicos principais: reforçar a segurança energética, convergência dos mercados dos Estados membros de energia com base no mercado interno da energia e nos princípios da União Europeia, apoiar o desenvolvimento da energia sustentável e atração de investimentos para projetos de energia de interesse comum e regional.[41][42]

Cultura

Localizada geograficamente em um emaranhado de culturas eslavas e latina, a Moldávia enriqueceu sua cultura ao adotar e manter algumas das tradições de seus países vizinhos. O príncipe Dimitrie Cantemir foi uma das figuras mais importantes na cultura moldávia durante o século XVIII. Ele escreveu a primeira descrição geográfica, etnográfica e econômica desses país em seu trabalho Descriptio Moldaviae (Berlim, 1714).[43] Mihai Eminescu foi um poeta romancista, provavelmente o mais conhecido e aclamado poeta da língua romena.

Comunicações

Segue-se uma lista de dados estatísticos relativos às comunicações na Moldávia:

  • Telefones fixos: 706 900 (2002)
  • Telefones móveis: 338 200 (2002)
  • Sistema de telefonia, avaliação geral: serviço inadequado, antigo; algum esforço para modernizar-se está sendo implantadoResidencial: A espera por uma nova linha é longa. Os telefones móveis estão se tornando mais acessíveis no país.Internacional: Código de país 373. Presta serviços através da Romênia e Rússia via satélite; *Possui Estações da INTELSAT, Eutelsat, e Intersputnik
  • Usuários de Internet: 150 000 (2002)
  • Pontos de acesso à Internet: 11 984 (2003)

15 de Agosto • Dia Hoje • Edição 2021

Dia da Independência da Coreia, da Índia e do Congo-Brazzaville ♥ Aniversário da cidade de Sorocaba (SP) • Glória Maria • Bernardo Guimarães • Óscar Romero • Oscar Peterson • Leandro • Melinda Gates • Carla Daniel • Sérgio Hondjakoff • Ben Affleck • Jennifer Lawrence ♣ FALECIMENTOS • Euclides da Cunha • Joe Seneca

Dia do México • 16 de Setembro de 1810 • Independência

País localizado na América do Norte. Com um território que abrange quase 2 milhões de Km2, o México é o 14.º maior país do mundo. Sua capital é Cidade do México. Sua população é de 126 milhões de habitantes (2020). É o 11.º país mais populoso do mundo. É o segundo em PIB da América Latina. Seu IDH é 0,779 (74.º) – alto

Dia da Guatemala • 15 de Setembro de 1821 • Independência

País da América Central, com uma população estimada em cerca de 17,2 milhões de habitantes. É o país mais populoso da América Central. Sua capital é a Cidade da Guatemala. Seu IDH é de 0,663 (127.º) – médio. Sua história é marcada pela Civilização Maia clássica, que dominou a área onde está o país, até a conquista do Iucatã pelos espanhóis

Dia do Tadjiquistão • 9 de Setembro de 1991 • Independência

País montanhoso da Ásia Central. Sua capital é Duxambé. Sua população é de 9.275.827 habitantes. Seu IDH é de 0,668 (125.º) – médio. Sua história vem desde a Antiguidade, remontando a 3 000 a.C., primeiramente com os persas. Após a invasão de Alexandre, o Grande, os mongóis e turcos otomanos também a ocuparam

Dia da Macedônia do Norte • 8 de Setembro de 1991 • Independência

País localizado na península balcânica, no sudeste da Europa. É um dos estados sucessores da antiga Iugoslávia. Sua população é de 2.103.721 habitantes e seu IDH é de 0,757 (80.º) – alto. A história da região remonta à Antiguidade, começando com o reino de Peônia, provavelmente uma política mista traco-ilíria

Dia do Brasil • 7 de Setembro de 1822 • Independência

Maior país da América do Sul e o quinto maior do mundo em área territorial. É também, o sexto país em população, com mais de 213 milhões de habitantes. É o único país na América onde se fala a língua portuguesa, além de ser uma das nações mais multiculturais. Possui uma das maiores economias do Planeta e é sempre lembrado pelo futebol.

Dia de Essuatíni • 6 de Setembro de 1968 • Independência

Essuatíni é um país em desenvolvimento com uma economia pequena, baseada na agropecuária. Anteriormente conhecido como Suazilândia, é um país da África Austral, limitado por Moçambique e pela África do Sul. Sua população é de 1.343.098. Suas capitais são Mebabane (administrativa) e Lobamba (legislativa)

0 comentário em “Dia da Moldávia • 27 de Agosto de 1991 • Independência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: