ACONTECIMENTOS DO DIA BLOG DIA HOJE Países

Dia de Essuatíni • 6 de Setembro de 1968 • Independência

Essuatíni é um país em desenvolvimento com uma economia pequena, baseada na agropecuária. Anteriormente conhecido como Suazilândia, é um país da África Austral, limitado por Moçambique e pela África do Sul. Sua população é de 1.343.098. Suas capitais são Mebabane (administrativa) e Lobamba (legislativa)

Cidade mais populosa

Mebabane

Governo

Diarquia absoluta

Independência

do Reino Unido

 – Data

6 de setembro de 1968

Área

17.364 km² (153.º)

 – Água (%)

0,9

 Fronteira

África do Sul (N, S e W) e Moçambique (E)

PIB

US$ 5,626 bilhões (144.º)

 – Per capita

US$ 4.836 (106.º)

IDH (2019)

0,611 (138.º) – médio

Fuso horário

(UTC+2)

Cód. Internet

.sz

Cód. telef.

+268

REINO DO ESSUATÍNI

Capital MEBABANE

Língua INGLÊS e SUÁZI

População 1.343.098

Moeda LILANGUÉNI SZL e RAND ZAR

Clima TROPICAL de ALTITUDE

 

FONTE: WIKIWAND www.gov.sz/

Reino de Essuatíni[1] (em suázi: Umbuso weSwatini; em inglês: Kingdom of Eswatini[7][8]), anteriormente conhecido como Suazilândia, é um país da África Austral, limitado a leste por Moçambique e em todas as outras direções pela África do Sul. Suas capitais são Mebabane (administrativa) e Lobamba (legislativa).[9] O país e seu povo recebem seus nomes de Mswati II, um rei do século XIX em cujo reinado o território de Essuatíni foi expandido e unificado.[10]

Capital • Mbabane

Essuatíni é um país em desenvolvimento com uma economia pequena, baseada na agropecuária. Porém o país não é autossuficiente na produção de alimentos, sendo exportador da cana-de-açúcar e abrigando importantes reservas de carvão mineral. Seu PIB per capita é de US$ 9 714, classificando a nação com renda média-baixa.[11] Como membro da União Aduaneira da África Austral e do Mercado Comum da África Oriental e Austral, o seu principal parceiro comercial local é a África do Sul (a fim de garantir a estabilidade econômica, a moeda essuatiniana, o lilanguéni, está indexada ao rand sul-africano, que também é moeda oficial de Essuatíni). Os principais parceiros comerciais no exterior são os Estados Unidos e a União Europeia.[12] A maior parte do emprego do país é fornecida pelos setores agrícola e manufatureiro. Essuatíni é membro da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, da União Africana, da Commonwealth e das Nações Unidas.

A saúde pública enfrenta uma catástrofe, com um terço da população adulta sendo portadora do vírus da AIDS (SIDA em português europeu) — uma das mais altas taxas de contaminação do mundo).[13] [14][15][16][17] A população suázi é bastante jovem, com uma idade média de vinte anos e pessoas com catorze anos ou menos, que constitui 37% do seu total de habitantes. A taxa atual de crescimento populacional no país é de 1,2%.[18] O país possui a décima segunda menor expectativa de vida do mundo, 58 anos.[19]

Esse pequeno e montanhoso país do sul da África, sem saída para o mar, é uma das poucas monarquias remanescentes no continente, sendo esta uma diarquia absoluta, governada conjuntamente pelo Ngwenyama (“rei”, o chefe de Estado administrativo) e pela Ndlovukati (“rainha mãe”, a chefe de Estado nacional) desde 1986.[20] [21] A sociedade, patriarcal e formada por clãs, admite a poligamia. [carece de fontes?] A atual constituição foi adotada em 2005. Em abril de 2018, o país mudou o seu nome de Reino da Suazilândia para Reino de Essuatíni, que significa “terra dos suázi” na língua suázi (ao invés de Swaziland, proveniente do inglês), durante os eventos de comemoração dos 50 anos de independência do país.[22]

História

Ver artigo principal: História de Essuatíni

Pré-história

Artefatos indicam atividades humanas na região de Essuatíni, datadas do início da Idade da Pedra, cerca de 200.000 anos atrás. Estes artefatos foram encontrados em por todo o país. Pinturas pré-históricas de arte rupestre, que datam de c. 27.000 anos atrás até o século XIX, também foram encontradas em vários partes do país.[23]

Os primeiros habitantes conhecidos da região foram caçadores- coletores de origem Khoisan. Eles foram amplamente substituídos pelos Nguni durante as grandes migrações bantas. Esses povos são originários das regiões dos Grandes Lagos da África oriental e central. As evidências da agricultura e do uso do ferro datam de cerca do século IV. Pessoas que falam línguas ancestrais às atuais línguas Sotho e Nguni começaram a se estabelecer no mais tardar no século XI.[24]

Colonos Swazi

Segundo a tradição, a origem dos suázis data do século XVI e resultou de um grupo que, sob a hegemonia do clã Dlamini, se separou do conjunto de bantos que então migravam para o sul, ao longo da costa de Moçambique. O grupo se fixou numa região entre Pongola e o rio Usutu. O rei Sobhuza I morreu em 1836, acredita-se que seu sucessor, Mswati (Mswazi) II, deu seu próprio nome à tribo. A expansão branca na região, porém, levou o rei ceder as terras ao norte do rio dos Crocodilos à República do Lydenburg, em 1846. Nessa época o rei Mswazi foi forçado a buscar ajuda britânica contra os zulus.

A partir de 1880, a penetração branca resultou em numerosas concentrações de terras, minérios, pastagens e até estradas de ferro e iluminação pública, facilitadas pelo rei Mbandzeni. Em 1888, os suázis consentiram no estabelecimento de um governo local provisório, formado por representantes do governo britânico, sul- africano e suázi, mas em 1893 recusaram uma proposta para instituir ali uma administração sul-africana. No ano seguinte, no entanto, foi assinado um acordo que estabelecia a administração sul-africana em anexação do território suázi.

Após a Guerra dos Bôeres e a instituição do controle britânico sobre Transvaal em 1903, os suázis passaram a ser administrados pelo governador do Transvaal e, em 1906, pelo alto comissário britânico para a Basutolândia, Bechuanalândia e Suazilândia. Os britânicos negaram, em 1949, o pedido de incorporação da Suazilândia pela União-Sul-Africana. Em 1963 promulgou-se na Suazilândia uma constituição que concedia aos suázis uma autonomia limitada. Quatro anos depois, foi proclamado o Reino da Suazilândia sob proteção britânica. Finalmente em 6 de setembro de 1968, o país conquistou plena independência.

Em 1973 e novamente em 1977 o rei Sobhuza II dissolveu o Parlamento e aboliu a constituição, que, em ambas as ocasiões, foi substituída por uma nova num prazo de dois anos. Após a morte do monarca, em 1982, seu filho adolescente Makhosetive foi nomeado príncipe herdeiro e coroado como o rei Mswati III apenas em 1986. Sob sua liderança o país ingressou numa fase de relativo progresso econômico, com um importante incremento dos investimentos estrangeiros e da atividade turística. Pressionado pela oposição, o rei iniciou um processo de democratização no país, com uma série de alterações no sistema eleitoral. Em 1993, realizaram-se as primeiras eleições pluripartidárias do país.

Em 1996, uma conflituosa greve geral exigiu o fim da monarquia absolutista. Mswati III nomeou como primeiro-ministro Barnabas Dlamini e instalou um Comitê de Revisão Constitucional (CRC). Em novembro de 2000, mais uma greve geral por democracia foi duramente reprimida pela polícia. A oposição rejeitou, em janeiro de 2001, o projeto de reformas elaborado pelo CRC. Em maio, o governo proibiu a circulação de duas publicações independentes. A decisão é considerada ilegal pela Alta Corte de Justiça, que a anula. Em junho, decreto real concede poderes ao governo para proibir livros, jornais e revistas. A medida provoca fortes reações contrárias, e o governo dos Estados Unidos ameaçou retirar a ajuda econômica ao país. Em julho, o primeiro-ministro anunciou a revogação do decreto.

Em 2002, Mario Masuku, líder da oposição, foi inocentado da acusação de incentivar rebelião contra o Estado. A Alta Corte de Justiça ordenou sua libertação, após dois anos preso. Na sequência, o Parlamento derrotou a proposta de compra de um jato de 45 milhões de dólares para o rei. O valor era mais que o dobro do orçamento nacional de saúde. Em 2003, os sindicatos chamam greve geral pela redução dos poderes do rei.

Em julho de 2005, o rei assinou a nova Constituição, que entrou em vigor em fevereiro do ano seguinte. O texto mantém a proibição de partidos e impede processos contra a monarquia. Em setembro de 2005, Mswati escolhe uma moça de 17 anos para ser sua 13º mulher. Poucas semanas antes, ele havia anulado a proibição de prática de sexo por mulheres de menos de 18 anos, vigente por quatro anos no país para combater a AIDS.

Em 19 de abril de 2018, Mswati oficialmente mudou o nome da Suazilândia para Essuatíni durante as comemorações do quinquagésimo aniversário da independência do país.[25] O novo nome, Essuatíni, significa “terra dos suázis” em suázi.[26]


 

Sobre a mudança do nome do país

FONTE: VEJA

O rei Mswati III da Suazilândia surpreendeu sua própria população ao anunciar na quarta-feira (18) que decidiu renomear o país para Reino de eSwatini (com o “e” minúsculo antes do “s” maiúsculo, conforme normas ortográficas da língua suazi local). O monarca já utilizava essa nomenclatura há alguns anos, mas agora decidiu oficializar a alteração.

Rei Mswati III da Suazilândia Ann Hermes/The Christian Science Monitor/Getty Images

A mudança foi anunciada durante a celebração dos 50 anos de independência da nação. A cerimônia também marcou o aniversário de 50 anos do rei.

“Países africanos reverteram a seus nomes pré-coloniais ao conquistaram sua independência”, afirmou Mswati III durante o evento em um estádio na cidade de Manzini, a segunda maior do país. “Então a partir de agora o país será oficialmente conhecido como Reino de eSwatini”.

O nome significa “lugar dos suazis” e é a tradução de Suazilândia na língua suazi. A antiga nomenclatura irritava alguns cidadãos, uma vez que é uma mistura de suazi e inglês.

A minúscula nação na África Austral ganhou a independência total em 1968, após domínio britânico desde o início dos anos 1900. Mas, ao contrário de outras nações, não havia modificado seu nome ainda.

Mswati III já usava o nome eSwatini para seu reino em discursos oficiais. O monarca utilizou o novo nome quando se dirigiu à Assembleia-geral da ONU em 2017 e durante a sessão de abertura do Parlamento suazi em 2014.

Monarquia absoluta

O rei, coroado em 1986 aos 18 anos, governa por decreto o país, que é considerado por muitos a última monarquia absoluta da África.

Desde 1973, a participação de partidos políticos nas eleições é proibida, embora eles ainda possam existir. Para concorrer a cargos públicos, os candidatos devem ser independentes e, se eleitos, devem ser aprovados pelo rei antes de tomarem posse como membros do Parlamento.

O país, que tem uma população de cerca de 1,3 milhão de pessoas, tem a maior taxa de HIV do mundo, com 27% dos adultos infectados.

A alteração no nome da nação pode significar que a Constituição do país deverá ser reescrita e também implicar em mudanças para a Polícia Real da Suazilândia, a Força de Defesa da Suazilândia e a Universidade da Suazilândia.

15 de Agosto • Dia Hoje • Edição 2021

Dia da Independência da Coreia, da Índia e do Congo-Brazzaville ♥ Aniversário da cidade de Sorocaba (SP) • Glória Maria • Bernardo Guimarães • Óscar Romero • Oscar Peterson • Leandro • Melinda Gates • Carla Daniel • Sérgio Hondjakoff • Ben Affleck • Jennifer Lawrence ♣ FALECIMENTOS • Euclides da Cunha • Joe Seneca

Dia do México • 16 de Setembro de 1810 • Independência

País localizado na América do Norte. Com um território que abrange quase 2 milhões de Km2, o México é o 14.º maior país do mundo. Sua capital é Cidade do México. Sua população é de 126 milhões de habitantes (2020). É o 11.º país mais populoso do mundo. É o segundo em PIB da América Latina. Seu IDH é 0,779 (74.º) – alto

Dia da Guatemala • 15 de Setembro de 1821 • Independência

País da América Central, com uma população estimada em cerca de 17,2 milhões de habitantes. É o país mais populoso da América Central. Sua capital é a Cidade da Guatemala. Seu IDH é de 0,663 (127.º) – médio. Sua história é marcada pela Civilização Maia clássica, que dominou a área onde está o país, até a conquista do Iucatã pelos espanhóis

Dia do Tadjiquistão • 9 de Setembro de 1991 • Independência

País montanhoso da Ásia Central. Sua capital é Duxambé. Sua população é de 9.275.827 habitantes. Seu IDH é de 0,668 (125.º) – médio. Sua história vem desde a Antiguidade, remontando a 3 000 a.C., primeiramente com os persas. Após a invasão de Alexandre, o Grande, os mongóis e turcos otomanos também a ocuparam

Dia da Macedônia do Norte • 8 de Setembro de 1991 • Independência

País localizado na península balcânica, no sudeste da Europa. É um dos estados sucessores da antiga Iugoslávia. Sua população é de 2.103.721 habitantes e seu IDH é de 0,757 (80.º) – alto. A história da região remonta à Antiguidade, começando com o reino de Peônia, provavelmente uma política mista traco-ilíria

Dia do Brasil • 7 de Setembro de 1822 • Independência

Maior país da América do Sul e o quinto maior do mundo em área territorial. É também, o sexto país em população, com mais de 213 milhões de habitantes. É o único país na América onde se fala a língua portuguesa, além de ser uma das nações mais multiculturais. Possui uma das maiores economias do Planeta e é sempre lembrado pelo futebol.

Dia do Vietnã • 2 de Setembro de 1945 • Independência

País do Sudeste Asiático. Com uma população de mais de 90 milhões de habitantes, é o 14º país mais populoso do mundo, tendo Hanói como sua capital desde sua reunificação, em 1976. É um dos Estados socialistas Marxistas-Leninistas existentes. Sua língua é o vietnamita e seu IDH é de 0,704 (117.º) – alto

0 comentário em “Dia de Essuatíni • 6 de Setembro de 1968 • Independência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: