Todos os Vencedores do Prêmio Nobel da Paz

Nobel da Paz é um dos cinco Prémios Nobel legados pelo inventor da dinamite, o sueco Alfred Nobel.

Os prêmios de Física, Química,Fisiologia ou Medicina e Literatura são entregues anualmente em Estocolmo, sendo o Nobel da Paz atribuído em Oslo.

Nobel da Paz

nobel-medalha
Descrição Pessoas que contribuíram com a manutenção na Paz no mundo.
Apresentação Fundação Nobel
Local Oslo
País  Noruega
Primeira cerimónia 1901
2016 - O presidente colombiano Juan Manuel Santos, pelas negociações de paz com as FARC.
2016 – O presidente colombiano Juan Manuel Santos, pelas negociações de paz com as FARC.

O Comité Nobel norueguês, cujos membros são nomeados pelo Parlamento norueguês, tem a função de escolher o laureado pelo prêmio, que é entregue pelo seu presidente atualmente o ex-primeiro-ministro, ex-ministro dos negócios estrangeiros, ex-presidente do Stortinget (parlamento) e atual Secretário-Geral do Conselho da Europa Sr. Thorbjørn Jagland.

Quarteto do Diálogo Nacional da Tunísia O júri do Prêmio Nobel concedeu o prêmio às quatro organizações da sociedade civil que patrocinaram uma solução negociada para a aguda crise política que vivia a Tunísia em 2013 e ameaçava acabar com o processo de transição iniciado após a primavera árabe em 2011.
2015 – Quarteto do Diálogo Nacional da Tunísia O júri do Prêmio Nobel concedeu o prêmio às quatro organizações da sociedade civil que patrocinaram uma solução negociada para a aguda crise política que vivia a Tunísia em 2013 e ameaçava acabar com o processo de transição iniciado após a primavera árabe em 2011.

A sua primeira entrega foi em 1901.

A paquistanesa Malala Yousafzai, a garota que foi atingida por um tiro na cabeça dos talibãs em 2012 por defender a educação das mulheres, e o ativista indiano Kailash Satyarthi foram premiados “pela luta contra a opressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”.
2014 – A paquistanesa Malala Yousafzai, a garota que foi atingida por um tiro na cabeça dos talibãs em 2012 por defender a educação das mulheres, e o ativista indiano Kailash Satyarthi foram premiados “pela luta contra a opressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”.

Atualmente há um sexto prêmio associado: o Prêmio de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel, também atribuído pela Academia Real das Ciências Sueca. Este prêmio foi instituído em 1968, comemorando o terceiro centenário do Banco Central da Suécia (Sveriges Riksbank).

2013 - O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Países Baixos) por contribuir “para o desarmamento e a convivência mundial” em colaboração com a ONU. A organização, com quase 20 anos de vida e quinhentos funcionários, é responsável – entre outras funções – por desmantelar o arsenal mantido pelo regime de Bashar al-Assad.
2013 – O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Países Baixos) por contribuir “para o desarmamento e a convivência mundial” em colaboração com a ONU. A organização, com quase 20 anos de vida e quinhentos funcionários, é responsável – entre outras funções – por desmantelar o arsenal mantido pelo regime de Bashar al-Assad.

Na altura da morte de Alfred Nobel, a Suécia e a Noruega estavam em União desde 14 de janeiro de 1814, pela qual o parlamento sueco ficava responsável pela política internacional, estando o Stortinget (Parlamento norueguês) apenas encarregado da política interna norueguesa.

2012 - União Europeia A União Europeia recebeu o prêmio do Comitê Nobel por ser garantia da paz no continente. O júri também destacou, além disso, o impulso “para a reconciliação, os valores baseados nas democracias e direitos humanos” desde sua fundação.
2012 – União Europeia A União Europeia recebeu o prêmio do Comitê Nobel por ser garantia da paz no continente. O júri também destacou, além disso, o impulso “para a reconciliação, os valores baseados nas democracias e direitos humanos” desde sua fundação.

A União desfez-se de uma forma pacífica a 13 de Agosto de 1905.

2011 - O prêmio foi para as liberianas Ellen Johnson-Sirleaf, presidenta do país africano, Leymah Gbowee, ativista pelos direitos das mulheres africanas, e a opositora iemenita Tawakel Karman. Após a decisão, o primeiro-ministro da Noruega declarou: “Este prêmio é uma homenagem a todas as mulheres do mundo e seu papel nos processos de paz e reconciliação”
2011 – O prêmio foi para as liberianas Ellen Johnson-Sirleaf, presidenta do país africano, Leymah Gbowee, ativista pelos direitos das mulheres africanas, e a opositora iemenita Tawakel Karman. Após a decisão, o primeiro-ministro da Noruega declarou: “Este prêmio é uma homenagem a todas as mulheres do mundo e seu papel nos processos de paz e reconciliação”

Alfred Nobel decidiu, assim, que fosse a Noruega a decidir o laureado pelo Nobel da Paz, de forma a prevenir a influência de poderes políticos internacionais no processo de atribuição do Nobel.

2010 - O comitê norueguês do Prêmio Nobel concedeu ao dissidente chinês Liu Xiaobo, “incansável lutador pela liberdade desde o massacre de Tiananmen em 1989”. Em 2009, Xiaobo foi julgado e condenado a passar 11 anos em uma prisão chinesa. Seu crime foi ser o autor e promotor da Carta 08, um manifesto pela liberdade de expressão, eleições democráticas e direitos humanos na China.
2010 – O comitê norueguês do Prêmio Nobel concedeu ao dissidente chinês Liu Xiaobo, “incansável lutador pela liberdade desde o massacre de Tiananmen em 1989”. Em 2009, Xiaobo foi julgado e condenado a passar 11 anos em uma prisão chinesa. Seu crime foi ser o autor e promotor da Carta 08, um manifesto pela liberdade de expressão, eleições democráticas e direitos humanos na China.

De acordo com a vontade de Alfred Nobel, o prêmio deveria distinguir “a pessoa que tivesse feito a maior ou melhor ação pela fraternidade entre as nações, pela abolição e redução dos esforços de guerra e pela manutenção e promoção de tratados de paz”.

2009 - Barack Obama - O prêmio reconheceu o compromisso do presidente dos EUA por “promover o diálogo internacional e o desarmamento nuclear” em todo o mundo. Obama, que tinha chegado à Casa Branca apenas um ano antes, declarou “não merecer estar na companhia de tantas figuras transformadoras que foram honradas com esse prêmio”.
2009 – Barack Obama – O prêmio reconheceu o compromisso do presidente dos EUA por “promover o diálogo internacional e o desarmamento nuclear” em todo o mundo. Obama, que tinha chegado à Casa Branca apenas um ano antes, declarou “não merecer estar na companhia de tantas figuras transformadoras que foram honradas com esse prêmio”.

Ao contrário dos outros prêmios Nobel, o Nobel da Paz pode ser atribuído a pessoas ou organizações que estejam envolvidas num processo de resolução de problemas, em vez de apenas distinguir aqueles que já atingiram os seus objetivos em alguma área específica.

2008 - Martti Ahtisaari - O prêmio, desta vez, foi recebido pelo ex-presidente finlandês (1994-2009) Ahtisaari por uma vida dedicada a mediar conflitos, como os de Kosovo, Namíbia e Indonésia.
2008 – Martti Ahtisaari – O prêmio, desta vez, foi recebido pelo ex-presidente finlandês (1994-2009) Ahtisaari por uma vida dedicada a mediar conflitos, como os de Kosovo, Namíbia e Indonésia.

Em 2011 havia 241 candidatos ao Nobel da Paz, um número recorde na história do galardão centenário. Dos indicados, 188 correspondiam a pessoas individuais e 53 a coletivos ou organizações.

2007 - O Comitê norueguês premiou o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) por “seus esforços para construir e expandir o conhecimento sobre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e lançar as bases das medidas necessárias para combater essa mudança”.
2007 – O Comitê norueguês premiou o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) por “seus esforços para construir e expandir o conhecimento sobre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e lançar as bases das medidas necessárias para combater essa mudança”.

É, portanto, um prêmio Nobel com características próprias.

2006 - Banco Grameen e Muhammad Yunus - O Comitê norueguês concedeu ao economista Muhammad Yunus (Bangladesh) o Nobel da Paz por “ser o idealizador do microcrédito” (pequenos empréstimos sem garantias que conseguiram tirar da miséria milhões de pessoas em todo o mundo).
2006 – Banco Grameen e Muhammad Yunus – O Comitê norueguês concedeu ao economista Muhammad Yunus (Bangladesh) o Nobel da Paz por “ser o idealizador do microcrédito” (pequenos empréstimos sem garantias que conseguiram tirar da miséria milhões de pessoas em todo o mundo).

Postagem a partir de matéria do El Pais

Fonte das informações: Wikiwand

Pesquisa e trabalho final de Paul Sampaio

2005 - Mohamed ElBaradei e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU - O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à AIEA e a seu diretor-geral, o egípcio Mohamed ElBaradei, em reconhecimento a seus “esforços para impedir que a energia nuclear seja usada para fins militares e por garantir que a energia nuclear para fins pacíficos seja o mais segura possível”.
2005 – Mohamed ElBaradei e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU – O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à AIEA e a seu diretor-geral, o egípcio Mohamed ElBaradei, em reconhecimento a seus “esforços para impedir que a energia nuclear seja usada para fins militares e por garantir que a energia nuclear para fins pacíficos seja o mais segura possível”.

Laureados

Segue-se a lista dos laureados com o Nobel da Paz:

1901 — 1925

Ano N.º Imagem Laureado Nacionalidade Função
1901 1
Henri Dunant Suíça Fundador da Cruz VermelhaInternacional e promotor dasConvenções de Genebra
2
Frédéric Passy  França Fundador e presidente da Sociedade Francesa para a Paz
1902 3
Élie Ducommun Suíça Secretários honorários do Secretariado Internacional da Paz em Berna
4
Charles Albert Gobat
1903 5
William Randal Cremer  Reino Unido Secretário da Liga Internacional de Arbitragem
1904 6
Instituto de Direito Internacional  Bélgica Por tratar de temas amplos envolvendo direito internacional, como direitos humanos e resolução pacífica de conflitos
1905 7
Bertha von Suttner  Áustria Escritora e presidente honorária doGabinete Internacional Permanente para a Paz
1906 8
Theodore Roosevelt  Estados Unidos Presidente dos Estados Unidos, por promover o tratado de paz naGuerra russo-japonesa
1907 9
Ernesto Teodoro Moneta  Itália Presidente da Liga Lombarda para a Paz
10
Louis Renault  França Professor catedrático de Direito Internacional
1908 11
Klas Pontus Arnoldson  Suécia Fundador da Sociedade Sueca para a Paz e a Arbitragem
12
Fredrik Bajer  Dinamarca Presidente honorário do Secretariado Internacional da Paz
1909 13
Auguste Marie François Beernaert  Bélgica Membro do Tribunal Permanente de Arbitragem
14
Estournelles de Constant  França Fundador e presidente da delegação parlamentar francesa para a arbitragem internacional, fundador do Comitê de defesa dos interesses nacionais e conciliação internacional
1910 15
Gabinete Internacional Permanente para a Paz Suíça
1911 16
Tobias Michael Carel Asser  Países Baixos Iniciador das Conferências Internacionais de Haia
17
Alfred Hermann Fried  Áustria Fundador do Die Waffen Nieder
1912 18
Elihu Root  Estados Unidos Por negociar vários tratados de paz
1913 19
Henri La Fontaine  Bélgica Presidente do Gabinete Internacional Permanente para a Paz
1914 Não atribuído
1915
1916
1917 20
Comitê Internacional da Cruz Vermelha Suíça
1918 Não atribuído
1919 21
Woodrow Wilson  Estados Unidos Por fundar a Liga das Nações
1920 22
Léon Victor Auguste Bourgeois  França Presidente do Conselho da Liga das Nações
1921 23
Karl Hjalmar Branting  Suécia Primeiro-ministro, delegado sueco para o Conselho da Liga das Nações
24
Christian Lous Lange  Noruega Secretário-geral da União Interparlamentar
1922 25
Fridtjof Nansen Delegado norueguês para a Liga das Nações, criador do passaporte Nansen para os refugiados
1923 Não atribuído
1924
1925 26
Austen Chamberlain  Reino Unido Pelos Tratados de Locarno
27
Charles G. Dawes  Estados Unidos Presidente da Comissão Internacional de Reparações, redactor do Plano Dawes

1926 — 1950

Ano Imagem Laureado Nacionalidade Função
1926 28
Aristide Briand  França Pelos Tratados de Locarno
29
Gustav Stresemann  Alemanha
1927 30
Ferdinand Édouard Buisson  França Fundador e presidente da Liga dos Direitos do Homem
31
Ludwig Quidde  Alemanha Delegado em várias conferências de paz
1928 Não atribuído
1929 32
Frank B. Kellogg  Estados Unidos Pelo Pacto Briand-Kellogg
1930 33
Nathan Söderblom  Suécia Líder do movimento ecuménico
1931 34
Jane Addams  Estados Unidos Presidente internacional daLiga Internacional de Mulheres pela Paz e Liberdade
35
Nicholas Murray Butler Por promover o Pacto Briand-Kellogg
1932 Não atribuído
1933 36
Norman Angell (Ralph Lane)  Reino Unido Escritor, membro do comité executivo da Liga das Nações e do Conselho Nacional da Paz
1934 37
Arthur Henderson Presidente da Conferência para o Desarmamento em Genebra da Liga das Nações
1935 38
Carl von Ossietzky  Alemanha Jornalista pacifista
1936 39
Carlos Saavedra Lamas  Argentina Presidente da Liga das Naçõese mediador no conflito entreBolívia e Paraguai
1937 40
Robert Cecil  Reino Unido Fundador e presidente da Campanha Internacional pela Paz
1938 41
Comitê Internacional Nansen para os Refugiados Suíça
1939 Não atribuído
1940
1941
1942
1943
1944 42
Comité Internacional daCruz Vermelha(premiada retroactivamente, em 1945) Suíça
1945 43
Cordell Hull  Estados Unidos Por ser um dos fundadores dasNações Unidas
1946 44
Emily Greene Balch  Estados Unidos Presidente honorária internacional da Liga Internacional de Mulheres pela Paz e Liberdade
45
John Raleigh Mott Presidente do Conselho Missionário Internacional e daAliança mundial das associações cristãs de moços
1947 46
Conselho da Sociedade dos Amigos (Quakers)  Reino Unido Em prol da Sociedade Religiosa dos Amigos
47
Comitê Americano da Sociedade dos Amigos (Quakers)  Estados Unidos
1948 Não atribuído
1949 48
John Boyd Orr  Reino Unido Director da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, presidente do Conselho Nacional de Paz e presidente da União Mundial de Organizações para a Paz
1950 49
Ralph Johnson Bunche  Estados Unidos Pela sua mediação na Palestina(1948)

1951 — 1975

Ano Imagem Laureado Nacionalidade Função
1951 50
Léon Jouhaux  França Presidente do Comité Internacional do Conselho Europeu, vice-presidente da Confederação Internacional de Sindicatos Livres, vice-presidente da Federação Mundial de Sindicatos, membro do conselho da Organização Internacional do Trabalho, delegado junto das Nações Unidas
1952 51
Albert Schweitzer Por fundar o Hospital de Lambaréne no Gabão
1953 52
George Marshall  Estados Unidos Pelo Plano Marshall
1954 53 Gabinete doAlto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Suíça
1955 Não atribuído
1956
1957 54
Lester Bowles Pearson  Canadá Presidente da 7ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, por iniciar os esforços pela pacificação da Crise do Suez
1958 55
Dominique Pire  Bélgica Líder da Europa do Coração, uma organização de relevo de ajuda a refugiados
1959 56
Philip Noel-Baker  Reino Unido Pelo empenho de toda uma vida na paz e cooperação internacional
1960 57
Albert Lutuli África do Sul Presidente do ANC (Congresso Nacional Africano)
1961 58
Dag Hammarskjöld  Suécia Secretário-geral das Nações Unidas(Hammarskjöld já era candidato ao Nobel da Paz quando morreu e foi premiado a título póstumo. Após a atribuição deste prémio houve alteração das regras de atribuição no sentido de posteriormente não permitir atribuições do Nobel a título póstumo)
1962 59
Linus Pauling  Estados Unidos Pela sua campanha contra os testes de armamento nuclear
1963 60
Comitê Internacional da Cruz Vermelha Suíça
61
Liga Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha
1964 62
Martin Luther King Jr.  Estados Unidos Activista dos direitos humanos
1965 63 Fundo das Nações Unidas para a infância (UNICEF)  Estados Unidos
1966 Não atribuído
1967
1968 64
René Cassin  França Presidente do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos
1969 65
Organização Internacional do Trabalho Suíça
1970 66
Norman Borlaug  Estados Unidos Pela suas pesquisas no Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo
1971 67
Willy Brandt  Alemanha Por colocar em prática a Ostpolitik, na República Federal da Alemanha, que estabeleceu uma nova atitude em relação aos países de leste e, em especial, à República Democrática Alemã
1972 Não atribuído
1973 68
Henry Kissinger  Estados Unidos Pelo acordo de paz no Vietname
69
Lê Đức Thọ(recusou o prémio) Vietname Vietname
1974 70
Seán MacBride  Irlanda Presidente do Comité Executivo Internacional da Amnistia Internacional e da Comissão das Nações Unidas para a Namíbia
71
Eisaku Sato  Japão Primeiro-ministro do Japão, “por sua renúncia à opção nuclear para o Japão e seu empenho no avanço da reconciliação regional”[1]
1975 72
Andrei Sakharov  União Soviética Pela sua campanha em favor dos Direitos Humanos

1976 — 2000

Ano Imagem Laureado Nacionalidade Função
1976 73
Betty Williams  Reino Unido Fundadoras do Movimento das Mulheres para a Paz na Irlanda do Norte, mais tarde chamado de Peace People (Gente de Paz)
74
Mairead Corrigan
1977 75
Anistia Internacional Pela sua campanha contra atortura
1978 76
Anwar Al Sadat  Egito Por negociarem a paz entreEgipto e Israel
77
Menachem Begin  Israel
1979 78
Madre Teresa de Calcutá  Albânia Pela luta contra a pobreza naÍndia
1980 79
Adolfo Pérez Esquivel  Argentina Activista dos direitos humanos
1981 80 Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Suíça
1982 81
Alva Reimer Myrdal  Suécia Delegados na Assembléia Geral de Desarmamento, das Nações Unidas
82
Alfonso García Robles  México
1983 83
Lech Wałęsa  Polónia Fundador do Solidarność, activista dos direitos humanos e primeiro presidente da Polónia, após a queda do Comunismo
1984 84
Desmond Tutu África do Sul Pelo seu trabalho contra oapartheid
1985 85
Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear  Estados Unidos
1986 86
Elie Wiesel Escritor, sobrevivente doHolocausto
1987 87
Óscar Arias Costa Rica Por iniciar processos de paz naAmérica Central
1988 88
Forças de manutenção da paz das Nações Unidas  Estados Unidos Pelos seus esforços a serviço da preservação da paz
1989 89
Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama Tibete
1990 90
Mikhail Gorbachev  União Soviética Pela sua contribuição para o fim da Guerra Fria
1991 91
Aung San Suu Kyi Mianmar Líder da oposição, activista dosdireitos humanos
1992 92
Rigoberta Menchú Tum  Guatemala Pela sua campanha pelos direitos humanos, especialmente a favor dos povos indígenas
1993 93
Nelson Mandela África do Sul Por seu trabalho pelo fim pacífico do regime do apartheide por estabelecer os princípios para uma nova África do Sul democrática
94
Frederik Willem de Klerk
1994 95
Yasser Arafat  Palestina Por concluírem os Acordos de Paz de Oslo
96
Shimon Peres  Israel
97
Yitzhak Rabin
1995 98
Joseph Rotblat  Polónia/ Reino Unido Pelos seus esforços contra o armamento nuclear
99
Conferências Pugwash sobre Ciência e Negócios Mundiais  Canadá
1996 100
Carlos Filipe Ximenes Belo Timor-Leste Pelo seu trabalho conducente a uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor-Leste
101
José Ramos-Horta
1997 102
Campanha Internacional para a Eliminação de Minas  Estados Unidos Pelo seu trabalho pela proibição do uso de minas antipessoais e sua remoção
103
Jody Williams
1998 104
John Hume  Reino Unido Pelos seus esforços no sentido de uma solução pacífica para o Conflito na Irlanda do Norte
105
David Trimble
1999 106
Médicos sem Fronteiras  França Reconhecimento de seu pioneiro trabalho humanitário em diversos continentes
2000 107
Kim Dae-Jung  Coreia do Sul Pelo seu trabalho pela democracia e direitos humanos, em especial pela paz e reconciliação com a Coreia do Norte

2001 — 2016

Ano N.º Imagem Laureado Nacionalidade Função
2001 108
Organização das Nações Unidas Pela dedicação a um mundo melhor organizado e mais pacífico
109
Kofi Annan Gana
2002 110
Jimmy Carter  Estados Unidos Por décadas de esforços incansáveis para encontrar soluções pacíficas para conflitos internacionais, em prol da democracia e direitos humanos, e pela promoção do desenvolvimento económico e social
2003 111
Shirin Ebadi  Irão Activista dos direitos humanosiraniana, defensora da implantação da democracia no seu país
2004 112
Wangari Maathai  Quênia Ambientalista e activista dos direitos humanos queniana
2005 113
Agência Internacional de Energia Atómica Pelos seus esforços em combater o uso militar da energia nuclear e assegurar que sua utilização com fins pacíficos seja a mais segura possível
114
Mohamed ElBaradei  Egito
2006 115
Muhammad Yunus  Bangladesh Por seus esforços em promover o desenvolvimento econômico e social das classes desfavorecidas
116
Grameen Bank  Bangladesh
2007 117
Al Gore  Estados Unidos Por seus esforços na obtenção e disseminação de importantes conclusões sobre as mudanças climáticas causadas pelos seres humanos, e por estabelecerem procedimentos necessários para reagir sobre tais mudanças
118
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas
2008 119
Martti Ahtisaari  Finlândia Por sua fundamental contribuição para a solução de conflitos internacionais em diversos continentes, durante mais de três décadas
2009 120
Barack Obama  Estados Unidos Pelos esforços diplomáticos internacionais e cooperação entre povos.[2]
2010 121 Liu Xiaobo  China “Pela sua longa e não-violenta luta pelos direitos humanos fundamentais na China”.[3]
2011 122
Ellen Johnson Sirleaf Libéria “Por sua luta não-violenta para a segurança das mulheres e pelos direitos das mulheres à sua plena participação na construção da paz e trabalho”[4]
123
Leymah Gbowee Libéria
124
Tawakel Karman Iêmen
2012 125
União Europeia “Por mais de seis décadas contribuindo para o avanço da paz e da reconciliação, democracia e direitos humanos na Europa”.[5]
2013 126 Organização para a Proibição de Armas Químicas  Países Baixos “Pelos seus esforços em eliminar armas químicas”.[6]
2014 127
Kailash Satyarthi  Índia “Pela sua luta contra a discriminação das crianças e jovens e pelo direito destes à educação”.[7]
128
Malala Yousafzai Paquistão
2015 129 Quarteto para o Diálogo Nacional da Tunísia  Tunísia “Pela sua decisiva contribuição para a construção de uma democracia pluralista na Tunísia no seguimento da Revolução de Jasmim de 2011”.[8]
2016 130
Juan Manuel Santos  Colômbia “Pelos seus esforços empenhados para pôr fim à guerra civil que durou mais de 50 anos”.[9]

Galeria de Fotos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s